Colunas

Teste do Pezinho

A importância do teste do pezinho para a saúde do bebê

Obrigatório em todo o território nacional desde 1992, com inclusão no Programa Nacional de Triagem Neonatal pelo Ministério da Saúde desde 2011, o teste prevê o diagnóstico e o tratamento de seis importantes doenças genéticas logo após o nascimento e é uma das grandes conquistas para a infância brasileira dos últimos tempos.

O exame, conhecido popularmente como ‘teste do pezinho’, é realizado por coleta de sangue, através de uma pequenina picada no pé do bebê, entre as primeiras 48 horas e até o 5º dia de vida. Todo ano são feitas campanhas de conscientização, por diversos órgãos de saúde, e como pediatra sempre reforço com os pais os benefícios desse serviço para garantir a boa saúde das crianças.

Com cobertura pelo Sistema Único de Saúde (SUS), o exame tem como função diagnosticar as doenças metabólicas, genéticas e/ou infecciosas, mais precisamente a fenilcetonúria, o hipotireoidismo congênito, a anemia falciforme, fibrose cística, deficiência de biotinidase e hiperplasia adrenal congênita.

O teste funciona como um filtro e, ao sinalizar positivo para alguma doença, devem-se realizar exames complementares para a confirmação do diagnóstico. Na rede privada é possível ter acesso a versões mais ampliadas do exame, que identificam outras doenças e é realizado nas maternidades.

O SUS disponibiliza acesso universal e integral a todas as triagens, como: teste do pezinho, da orelhinha, do olhinho, da linguinha e do coraçãozinho. Se alguma doença for diagnosticada o programa também oferece tratamento, assim como as clínicas pediátricas particulares e com o acompanhamento do pediatra da confiança dos pais.

Garantir e prevenir a saúde e o pleno desenvolvimento das nossas crianças deve ser prioridade e do conhecimento de todos.

Até a próxima,

Dr. Sylvio Renan Monteiro de Barros

Artigos relacionados

Adblock Detectado

Considere nos apoiar desabilitando o bloqueador de anúncios